A partir desta semana, o blog Agências de Notícias inaugura uma seção aos sábados com notas curtas sobre o que aconteceu no setor ao longo da semana, no Brasil e no mundo. Os leitores também podem enviar contribuições para os editores do blog, no formulário de Contato.

AFP_olympics-media-003.jpg
Câmera robótica e subaquática da Nikon usada pela AFP

 

AFP testa câmera robotizada na cobertura da Rio2016 – A Agence France-Presse (AFP) vai trazer para o Rio de Janeiro uma câmera robótica específica que permite capturar fotos e vídeos remotamente, disparando até 12 capturas por segundo. Em lugar das câmeras subaquáticas ou em quadras, operadas por um fotógrafo que não conseguia ver a imagem capturada na hora exata, agora o equipamento é controlado por um painel eletrônico, a distância (ver vídeo abaixo). A tecnologia, que permite tirar fotos em ângulos incomuns e inovadores (como na foto do alto que ilustra este post), foi apresentada em artigo de François Xavier Marit no blog Correspondent, da agência francesa. Dois modelos de marcas diferentes são usados: Nikon e Marc Roberts Motion Control (MRMoCo).

Da câmera de celular para a mídia mundial, via AP – A Associated Press revelou como obteve imagens exclusivas geradas por amadores durante a cobertura do atentado terrorista em Nice, no dia 14 de julho, feriado da Queda da Bastilha na França. As imagens, feitas por um turista egípcio, mostram o momento em que a polícia francesa mata o terrorista dentro do caminhão que usou para atropelar centenas de pessoas e matar mais de 80. Curiosamente, a aquisição das imagens foi feita por um contato entre a sucursal de Roma e a sede em Londres, sem passar pelos escritórios da AP na França. Como é normal com conteúdo de agências, as imagens foram reproduzidas na mídia ao redor do mundo.

Bloomberg lança franquias de retrancas explicativas – A Bloomberg está expandindo o QuickTake, seu serviço de retrancas explicativas, em formato de pergunta-e-resposta (Q&A), para o sistema de franquias, com licenciamento de conteúdo. Os textos, escritos por jornalistas da agência, fornecem explicações rápidas sobre assuntos em pauta na atualidade – especialmente as mais urgentes. Entre outros temas, o QuickTake foi usado para explicar aos leitores as consequências do Brexit, a futura desfiliação do Reino Unido como membro da União Europeia; o escândalo do uso dos e-mails privados de Hillary Clinton; e a recente moratória em Porto Rico. O serviço é oferecido para os assinantes que já têm o Terminal Bloomberg.

Editora-executiva da AP deixa o cargo – A editora-executiva da AP, Kathleen Carroll, deixará a empresa no final do ano, após 14 anos no cargo e três passagens pela agência norte-americana. Seu sucessor deve começar os trabalhos no dia 1º de janeiro.

Como aplicar a internet das coisas ao jornalismo – Executivos da Associated Press discutiram, em um seminário interno na semana passada, possíveis aplicações da chamada “internet das coisas” para o jornalismo. A conexão generalizada da rede mundial a eletrodomésticos, objetos, aparelhos elétricos e portáteis que não são (originalmente) de comunicação, como liquidificadores e condicionadores de ar, é uma das maiores expectativas tecnológicas dos próximos anos. No evento, o programador Urvish Burman e o diretor de pesquisa Vince Tripodi apresentaram algumas sugestões: usar sensores para monitorar abalos sísmicos e enviar notificações sobre terremotos ou deslizamentos, acelerando a cobertura de tragédias; usar medidores de qualidade do ar e da água para acompanhar a poluição em Pequim ou no Rio de Janeiro, duas recentes sedes de jogos olímpicos; ou medir o som em estádios, shows e comícios para identificar a resposta do público a jogadas, músicas e discursos específicos. “A adoção desses dispositivos”, pondera a AP, “ainda trará preocupações sobre privacidade, segurança e questões técnicas”.

TASScor

TASS abre arquivo de fotos para colorização artificial – A agência de notícias russa TASS liberou o seu acervo fotográfico em preto e branco para ser acessível pelo software de colorização artificial Algorithmia, desenvolvido pela Universidade Berkeley, na Califórnia. O resultado pode ser visto nesta página. A TASS, que foi a principal agência da União Soviética e é herdeira das antigas agência do império tsarista, foi fundada em 1925 e guarda fotografias desde então.