Os 50 anos de decretação do AI-5 (Ato Institucional nº 5), o infame decreto que escancarou a ditadura corrupta dos militares no Brasil em dezembro de 1968, fazem lembrar não só a tortura, os crimes, as execuções extrajudiciais, as invasões de residências e a censura, mas também a resistência ao arbítrio conduzida por advogados, estudantes, intelectuais, ativistas democratas e, claro, por jornalistas. É até bem documentada a história da imprensa alternativa durante a ditadura, com jornais como O Pasquim, Opinião, Movimento, O Sol, Coojornal, Jornal da República, e as revistas Pif Paf, Cadernos do Terceiro Mundo e RCB (Revista Civilização Brasileira). Mas nada se encontra sobre a resistência na comunicação alternativa por meio de agência de notícias. Continuar lendo “FBI: a agência de notícias alternativa que desafiou a ditadura brasileira”