Em mais um episódio de interferência política na EBC desde o golpe de 2016, o jornalista Décio Trujillo Junior, repórter da Agência Brasil em São Paulo, foi demitido nesta quarta-feira (28/2) após reclamações da Agência Nacional de Águas (ANA) sobre uma matéria sob sua responsabilidade.

Segundo o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, a ANA apresentou uma queixa formal à EBC, que mantém a ABr, por conta de uma imprecisão que de fato havia na matéria. Entretanto, a demissão de um jornalista da agência extrapola a reclamação e sinaliza uma submissão direta da linha editorial aos aliados da junta golpista, como o PSDB.

O SJSP informa que, desde janeiro, a EBC mantém um contrato com a ANA para promover o Fórum Mundial da Água, que ocorre este mês em Brasília. Desde então, a ABr e outras redações da empresa pública vêm produzindo “conteúdos favoráveis” ao evento. O valor do contrato, segundo o sindicato paulista, é de R$ 1,8 milhão. A EBC possui uma filial para prestar serviços de conteúdo a órgãos públicos, a EBC Serviços, separadamente da função informativa e jornalística da Agência Brasil.

O Fórum é organizado pelo Conselho Mundial da Água, cujo presidente, Benedito Braga. acumula o cargo de secretário de recursos hídricos do governo estadual de Geraldo Alckmin (PSDB).

A matéria da ABr que atiçou os brios tucanos foi “Apesar de obras, São Paulo ainda precisa de chuva para evitar nova crise hídrica”, distribuída no domingo e ainda no ar. O texto é assinado por Ludmilla Souza. O trecho questionado afirmava que “hoje, em pleno verão, o reservatório da Cantareira, o principal da metrópole, apresenta os mesmos níveis da fase anterior ao início da crise, quatro anos atrás”. Mesmo após a remoção desse trecho, Trujillo Jr. foi demitido.

censura_JRMora
Charge do cartunista espanhol JR Mora. Original aqui.

De acordo com o SJSP, jornalistas da ABr vêm questionando o contrato e pedindo que “seja sinalizado ao leitor de que se tratam de conteúdos pagos e com aprovação prévia de um cliente“, além de permitir aos repórteres escolher se assinam ou não as matérias contratadas.

Segundo o website Poder360, o gerente-executivo da ABr, Alberto Coura, na sexta-feira passada (23/2), queixou-se em um grupo de WhatsApp de gestores da EBC de que haveria uma “rebelião” dos repórteres em relação aos informes publicitários.

Esta é a segunda demissão na redação da Agência Brasil em São Paulo desde o golpe. Em março de 2017, o o jornalista André Muniz de Souza foi demitido da gerência de redação da agência em São Paulo após cobrir um protesto do Movimento dos Sem-Teto (MTST) na cidade.

Há exatamente um ano (1º/3/2017), a ABr já sofrera por uma reestruturação administrativa, acabando com a coordenação geral das sucursais (Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo) e transformando as coordenações regionais de pauta em gerências.

 

Anúncios