A agência de notícias norte-americana Bloomberg, especializada em cobertura de economia e informação financeira, anunciou que pretende triplicar seu serviço noticioso em espanhol, passando para mais de 80 matérias por dia “nos próximos meses”, e torná-lo disponível para mais assinantes. O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 13 de junho, durante o 68º congresso da Associação Mundial de Jornais (WAN-IFRA) em Cartagena, na Colômbia.

Segundo o chefe de operações do serviço jornalístico, Dylan Cohen, a mudança é que as matérias traduzidas para espanhol ficarão disponíveis para os usuários do Bloomberg Content Service, que é o feed de notícias da agência. Até agora, apenas usuários do chamado “Terminal Bloomberg” tinham acesso às traduções.

“A demanda por notícias em espanhol está crescendo, e o Content Service está empenhado em se tornar o principal fornecedor de qualidade para notícias de negócios em língua espanhola”, disse o gerente-geral do serviço, Josh Rucci.

De acordo com a agência, pertencente ao ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, o serviço contará com matérias exclusivas feitas na América Latina e na Espanha, pautas de negócios, finanças e política, além de comportamento, consumo de luxo e tecnologia, todas relacionadas aos mercados de língua espanhola. Também prometem entrevistas exclusivas com presidentes, ministros e altos executivos hispânicos, além de previsões e análises das principais commodities, moedas, mercados e ações da região.

“Temos tradutores experientes que trabalham lado a lado com os repórteres em nossa extensa rede de sucursais em toda a América Latina e na Espanha, permitindo a cobertura de vários mercados em sete fusos horários”, acrescentou Rucci.

Atualmente, na América Hispânica, a Bloomberg tem escritórios em Buenos Aires, Cidade do México, Santiago, Caracas, Bogotá e Lima. A primeira sede latino-americana da empresa foi aberta em São Paulo em 1996. A agência diz ter hoje 327 mil assinantes em todo o mundo, dos quais 315 mil usam o Bloomberg Professional, conhecido como “Terminal Bloomberg” de duas telas (foto), instalado nas redações e escritórios dos clientes. Destes, apenas cerca de 1.000 são empresas de mídia, em 70 países; os demais são do setor financeiro, bancos, seguradoras, indústrias, órgãos de governo e indivíduos. Além de espanhol e inglês, seu idioma original, a agência também oferece serviços de notícias financeiras e econômicas em português, japonês, chinês, alemão e russo.

Entre os articulistas do serviço hispânico da Bloomberg está Mac Margolis, que é correspondente no Brasil há mais de duas décadas.